quarta-feira, 9 de janeiro de 2008

Inteireza da vida - Letícia Thompsom


Ninguém vive pela metade.
O espaço de vida de cada um é o que cada qual tem de inteiro.
Se dura vinte ou cinqüenta anos, não faz diferença.
O que conta é que uma vida é uma vida.

Não existe meio amor, meia felicidade, meia saudade. Todo sentimento por si só é inteiro.
Ou a gente é feliz ou não é; ou ama ou não ama; ou quer, ou não quer.
Quando amamos, dúvida não existe; se queremos realmente, dúvida não existe;
Se somos felizes... Cadê o espaço pra infelicidade, se a felicidade toma conta de tudo?!
Então, se você se sente nesse meio caminho,
talvez seja o momento de parar e refletir um pouco na sua existência.
A vida é inteira, mas não temos a vida inteira para decidirmos vivê-la intensamente.
Temos o agora.

Há quem diga que pelo fato de ser jovem ainda tem tempo.
Mas quem, além de Deus, sabe dizer a medida da vida de cada um?
Perdemos preciosos minutos do nosso hoje com a idéia que amanhã as coisas acontecerão e que podemos esperar.
Quando começamos a medir e pesar nossos sentimentos, não vamos a lugar nenhum.
Haverá sempre uma luta cerrada entre o coração que quer viver
e a razão que mede conseqüências.
Medindo dificuldades, não fazemos nada.
Se devemos medir alguma coisa, devem ser então as possibilidades.
Aí sim estamos no caminho certo.

Para os pessimistas uma pedra é um estorvo,
para os otimistas é um pedacinho do alicerce da própria vida.
O segredo está no olhar com que cada um vê as situações.
Quando fizer alguma coisa, faça com inteireza de coração.
Ame totalmente, ria totalmente, faça de tudo um todo.
A vida é bela demais para ser deixada em suspenso.
O amor é bom demais para que possamos vivê-lo em pequenas partes,
sem que o tornemos real e possível.

Tente viver com a metade do seu coração e veja se consegue...
Difícil ser feliz sem ser completo.
Impossível ser completo parado num caminho de indecisões.
O coração talvez não seja o melhor conselheiro.
Mas é o que nos mantém vivos e que está sempre junto, sempre ligado a nós.
Deixe, pelo menos uma vez, que ele fale mais alto...


Letícia Thompsom

3 comentários:

César Fernández disse...

Caramba, que belo texto.

é assim que eu me senti muitas vezes, incompleto, pela metade...

e a minha vida é tipo uma espera pelo momento em que tudo o que me falta cairá do céu :S

gostei muito
abraço!

Edson Marques disse...

Paulo,


Mude,
mas comece devagar,
porque a direção é mais importante que a velocidade.
(...)


Abraços, flores, estrelas...

Rafael disse...

Amigo tbm gostei do texto.
Amigo procura justificar os texto, fica melhor p/ ler.
Abraços.